“É notadamente uma pirâmide”, diz promotor de Justiça do Acre sobre a Mandala, nova febre nas redes sociais

Publicado em 08 de dezembro de 2016 às 16h:13

Por Mário Célio

“É notadamente uma pirâmide”, informou o promotor Marco Aurélio, da Promotoria do Consumidor do Ministério Público Estadual, sobre a famosa Mandala, que virou uma febre na redes sociais nos últimos dias.download-1

“Os elementos dela são todos característicos de pirâmide porque sequer existe qualquer trabalho pra efeito de disfarce ou qualquer produto pra efeito de disfarce. É simplesmente entrar com dinheiro”, acrescenta Marco Aurélio.

A Mandala apresenta proposta de ajuda mútua apelidada por alguns de “roda da felicidade”. Segundo seus participantes, o “investimento” é de R$100 e os depósitos são feitos direto na conta de um para o outro sem intermediário. “No meio da roda você recebe 7 doações de R$100, somando R$800 (direto na sua conta bancária)”, diz um aviso que circula pelo WhatsApp.

“A pessoa tem que pensar: eu vou dar R$ 100, mas de onde vai vir os outros R$ 700? Não é ajuda mútua igual eles estão falando. Alguém tá tendo que bancar esses R$ 700. Nitidamente é a base sustentando o topo. As pessoas precisam aprender que dinheiro fácil é algo errado. Essas pirâmides estão tendo uma vida de 30 dias em média só”, completou.

O promotor de Justiça informou que ainda não recebeu nenhuma denúncia. “Geralmente as pessoas procuram fazer denúncias depois que o esquema já está desmontado.”

COMPARTILHAR