Gladson Cameli abre o jogo sobre sua candidatura ao governo em 2018

Publicado em 22 de fevereiro de 2017 às 22h:27

Por Mário Célio

Se havia alguma dúvida, não há mais: o senador Gladson Cameli (PP) será candidato ao governo acreano na eleição do próximo ano. Numa entrevista exclusiva à coluna, a primeira após a primeira reunião da oposição, Gladson se mostrou muito tranqüilo, ponderado e convicto do que quer. Passou a imagem de um político desprovido de revanchismo, embora seja alvo preferencial dos ataques do PT. Falou sobra campanha, a ferrenha disputa pelas vagas do Senado dentro da oposição, como conduzirá a escolha do seu vice, como vê a oposição, e a onda dos seus aliados de que já ganhou a eleição. Abaixo, como foi a conversa ontem pela manhã no seu apartamento:

CANDIDATURA AO GOVERNO- Está decidido, é uma opção pessoal e pelos pedidos que recebo por onde passo, é uma decisão pensando no povo acreano, porque se assim não fosse continuaria o meu mandato, do qual restam ainda seis anos. A candidatura é por opção política.

VICE DA CHAPA- Não convidei, não escolhi ninguém e nem autorizei ninguém a dizer que será o meu vice. Será uma escolha discutida entre os partidos, dentro de uma composição de forças e em cima de uma discussão franca. Não foi ainda aberta essa conversa.

PERFIL DO VICE– Um nome que traga além da confiança a experiência, para não ficar só uma chapa com dois candidatos jovens.

DISPUTA DO SENADO – Não vou me meter nesta disputa, os candidatos terão que se entender.  Mandei fazer uma pesquisa em todos os municípios acreanos para saber quais os preferidos para o governo e para senador. Vou liberar para publicação e o candidato ao Senado poderá ter uma base de como está a sua popularidade. Para deixar o resultado bem amplo nenhum município deixará de ser pesquisado.

A SUA FIGURA TEM SIDO ALVO DO PT, CHEGANDO AO GOVERNO HAVERÁ O CHAMADO TROCO?– De maneira alguma. Se eu for eleito vou administrar o Acre sem olhar pelo retrovisor, mas pensando num futuro melhor para os acreanos. Não usarei o método do PT.

QUEM FALA PELA SUA CANDIDATURA AO GOVERNO? – Eu.

COMO É QUE VOCÊ SE SENTE SENDO ALVO DO PT?– Chegou a uma situação que estou evitando até ir a um restaurante, porque aonde chegava tinha sempre alguém me filmando. Esse é o método do PT.

COMO VOCÊ RESPONDE ÁS AGRESSÕES DOS ADVERSÁRIOS? – Respondo com a justiça, estou com várias ações contra alguns deles, vieram me pedir para retirar, mas vou deixar até que saiam as sentenças, para que sirvam de exemplo.

COMO FOI SENTAR COM O GOVERNADOR TIÃO VIANA, APÓS A DISCUSSÃO QUE TIVERAM? – -Foi uma reunião para tentar colocar fim a esta violência que domina o Estado. Mostrei também a ele que, não somos concorrentes, pelo fato de que nem candidato ele será em 2018. Não guardo mágoa de ninguém. Estou para ajudar.

QUAL A CHANCE DA SUA CANDIDATURA ESBARRAR NA LAVA-JATO? – Zero possibilidade em trilhões. Isso não tem a menor chance de acontecer.

COMPARTILHAR