Interior: Servidores acusam prefeitura de não repassar pagamento de empréstimo

Publicado em 09 de novembro de 2016 às 12h:14

Por Mário Célio

taumaturgo1Servidores públicos reclamam que a prefeitura de Marechal Thaumaturgo, no interior do Acre, não está repassando ao banco o dinheiro descontado dos empréstimos consignados.

A zeladora Ana Paula Costa, de 28 anos, afirma que terminou de pagar o empréstimo de 12 meses em agosto deste ano e que, ao tentar fazer um novo empréstimo, ficou sabendo que estava devendo os últimos dois meses que foram descontados.

O G1 entrou em contato com o prefeito da cidade do interior do estado, Aldemir Lopes, mas até a publicação desta reportagem não obteve resposta. A Caixa Econômica também não deu retorno. A zeladora questiona para onde está indo o dinheiro que é descontado. “Quero saber onde está o dinheiro. Fui tentar tirar um novo empréstimo, já que há dois meses terminei de pagar um, e fiquei sabendo que estava devendo. Mas, todos os meses foi descontado o valor de quase R$ 200 do meu salário. Fui tentar saber o que tinha acontecido, mas na prefeitura ninguém nos atende. Sei que mais servidores estão nessa situação”, diz a servidora.

Uma professora do município, que preferiu não se identificar, descobriu, ao tentar fazer uma compra parcelada em uma loja da cidade, que o nome dela estava com restrições. Ela tem um empréstimo consignado e paga pouco mais de R$ 500 em cada parcela. O valor é descontado todo mês.

“Falaram que meu nome estava sujo, sendo que não faço compras em cartão de crédito, nem em nada, exatamente por conta desse empréstimo. Não consegui fazer essa compra e sai constrangida da loja sem saber o porquê. Depois fui procurar saber e era por causa desse empréstimo que é descontado em folha e eu não devo nada”, afirma a professora.

A professora Sandra Martins, de 39 anos, passa pela mesma situação e afirma que há pelo menos quatro meses a prefeitura não tem feito o repasse para o banco. “Tenho um empréstimo de 36 meses, mas faltam no máximo dez parcelas de mais de R$ 500 para terminar de pagar. Para a gente que está passando por isso é muito ruim, estamos correndo o risco de ter que pagar duas vezes esses empréstimos”, reclama.

Fonte: G1/Acre

 

COMPARTILHAR