Justiça intima testemunhas da explosão de barco no Juruá

Publicado em 08 de novembro de 2016 às 10h:02

Por Mário Célio

barco_2As testemunhas da explosão de uma balsa, que matou uma pessoa em Rodrigues Alves e deixou outra ferida, devem começar a ser ouvidas pela Polícia Civil ainda esta semana, de acordo com o delegado Lindomar Ventura. A balsa, que transportava combustível e botijas de gás, explodiu no dia 27 de setembro. José Lázaro da Silva, que estava descarregando o material, morreu após ficar 13 dias na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) no Hospital do Juruá em Cruzeiro do Sul.

Até o início de outubro, o inquérito para investigar as causas do acidente ainda não tinha sido aberto. Porém, Ventura informou que as testemunhas já foram intimadas e serão ouvidas ainda esta semana.

“Estamos aguardando a oitiva dos envolvidos, que já foram intimados em Porto Walter, para colher os depoimentos. Também estamos aguardando uma cópia do parecer da Marinha, que também realiza uma investigação”, disse.

O delegado explicou que, devido a explosão, não é possível um laudo que concretize as causas do acidente. “Vamos ficar focados no depoimento das testemunhas para saber como era feito o transporte e se as normas foram obedecidas. Porque os vestígios foram perdidos e isso vai requerer tempo”, explicou.

Entenda o caso
A embarcação, que transportava ao menos 8 mil litros de combustível e 40 botijas de gás explodiu, quando saia de Rodrigues Alves para abastecer a cidades de Porto Walter e Marechal Thaumaturgo. Na balsa, havia duas pessoas que faziam o transporte do material.

José Lázaro da Silva, de 32 anos, morreu no dia 11 de outubro no Hospital do Juruá. Ele era uma das vítimas que estavam no barco. O outro é Osmir Pinheiro, que também ficou internado, mas foi liberado após quatro dias.

Fonte: G1/Acre

 

Compartilhar

Comente essa matéria