Projeto de Sebastião Viana poderá despejar mais de mil famílias de agricultores

Publicado em 06 de dezembro de 2016 às 14h:52

Por Mário Célio

O projeto de autoria do governador Sebastião Viana (PT), que pretende entregar 34 imóveis urbanos e rurais como garantia de um empréstimo que uma empreiteira poderá contrair para construir o centro administrativo do Acre, poderá despejar mais de mil famílias de pequenos produtores que trabalham em alguns nos seringais citados no projeto. A informação é do deputado Jesus Sérgio (PDT), que faz um alerta para necessidade de um estudo de impacto.documento-dep

“A meu ver esta iniciativa vai trazer muitos benefícios para todos os acreanos, em concentrar em um só local todos os órgãos administrativos do governo. A gente entende que é algo bom. Agora, de nossa parte, quero colocar minha preocupação que seja dirimida algumas dúvidas. Estou pedindo informações de modo a esclarecer e dar mais celeridade a aprovação do projeto, mas também garantir que estas pessoas não sejam prejudicadas”, diz Jesus Sérgio.

Segundo informações da assessoria do deputado, em apenas uma das áreas que será dada como garantia pelo governo do Acre, mais de mil famílias estariam residindo e tirando sustento das terras. “Se fazem necessário parecer sobre os impactos que estão submetidas as famílias que moram nas propriedades rurais. Se estas áreas estão sendo dadas como garantia não terá como as pessoas produzirem. O que elas vão fazer? Elas vão migrara para as cidades”.

Para Jesus, as famílias que poderão ser despejadas dos imóveis passarão a integrar os bolsões de miséria da zona urbana das cidades acreanas. “Vamos ter mais violência, mais tráfico de drogas. Como podemos aumentar a produção se não temos áreas para produzir? O que quero garantir é que estas pessoas possam viver com dignidade em suas propriedades, com atenção e apoio do poder público que tem que assumir responsabilidade”, enfatiza.

O deputado acrescenta que recebeu denúncias de moradores da Gleba Morungaba, que é uma das áreas dadas como garantia pelo governo, que mais de mil famílias residem na localidade, e estariam apreensivas com o projeto que poderá ser aprovado na Aleac. Inclusive, o governo do Acre teria realizado um evento com pompas e festa para distribuir títulos de domínio aos moradores que receberam o documento de propriedade do Iteracre.

COMPARTILHAR