“Com a desistência de Coronel Ulysses, Gladson Cameli deve ganhar no primeiro turno”

O que era um simples boato de mais um dia de campanha política, acabou se transformando no fato mais relevante até aqui na disputa para o governo do Estado: o Coronel Ulysses Araújo (PSL) desistiu da sua candidatura. Isso praticamente torna a eleição num plebiscito entre os que aprovam e os que não aprovam o atual governo. Foi uma cronologia de idas e vindas até a decisão final.

Na última sexta-feira, o Coronel Ulysses (PSL) chamou na sua casa para um jantar os candidatos a deputado federal da sua chapa e participou sua renúncia. Depois de uma conversa tensa acabou por voltar atrás. No sábado foi para a convenção regional e homologou a sua chapa e as dos candidatos a deputado estadual e deputado federal.

Comunicou que tinha tido um entendimento com o candidato ao governo, Gladson Cameli (PP), que lhe ofereceu a primeira suplência do Senado na chapa do candidato Márcio Bittar (MDB). Dois fatos relevantes do acontecimento: a eleição para o governo se tornará plebiscitária e será decidida no primeiro turno.

A renúncia do coronel PM Ulysses Araújo (PSL) à sua pré-candidatura ao governo estadual mostrou que o senador Gladson Cameli (Progressistas) não está apenas brincando de fazer política, como ele mesmo, vez por outra, faz questão de enfatizar.

Bem, assim sendo, Gladson encurralou os adversários no tabuleiro eleitoral, mostrando seus dotes de enxadrista. E de quebra vai ampliar sua base de apoio e o tempo reservado pelo TRE nos programas de rádio e TV.