EM FEIJÓ: 16 casos de violência sexual entre crianças e adolescentes foram registrados pelo o conselho tutelar em 2017

“São assustadores, o número de crianças e adolescentes vítimas da violência sexual registrados em 2017 na cidade de Feijó. Os dados foram enviados ao Site de notícias Feijó24horas, pelo os membros do Conselho Tutelar.

De acordo com os registros da instituição, órgão vinculado ao Ministério Público, os casos de abuso sexual envolvendo crianças e adolescentes, são estatísticas que comprovam índices acima da média. Isso sem contar, os casos que são mantidos sob o sigilo absoluto da família. 

Os motivos pelos quais crianças e adolescentes não relatam o abuso são vários e, de acordo com os conselheiros, o tabu que a educação sexual tem no âmbito familiar é um dos principais responsáveis para que esse segredo se perpetue. Principalmente quando são cometidos por algum parente, sendo a figura paterna, pai ou padrasto – a mais comum.

“É um tabu mesmo. São ataques bem sutis e, quando [a vítima] tenta falar, [o abusador] já fez a cabeça da mãe. Muitas vezes com medo de destruir a família, a menina fica quieta e cria ódio da mãe pela negligência. A mãe, por sua vez, se reconhece no erro, na escolha de ter um filho com o homem errado e de não ter visto a situação. E assim o abuso se perpetua”, afirmam.

A vergonha, o medo e a culpa são características recorrentes entre os casos que chegam até o Conselho Tutelar. “O abusador sempre tenta prejudicar a imagem da adolescente, isolando a menina e criando conflito entre ela e os familiares. Ele cria uma situação na qual se faz de bonzinho e de amigo, desqualificando a menina”, explica Francinelson, que ainda afirma: “o Conselho não tem papel de polícia. O nosso papel é cuidar, zelar e proteger a criança e o adolescente.

A violência no ambiente doméstico tem essa prerrogativa de tratar a mulher sem precisar da queixa. Nós empoderamos e damos autonomia com dignidade, para ela poder sair desse papel e desse lugar, sem destruir a família”.