EM FEIJÓ: Prefeitura cria Associação de Catadores de Materiais Recicláveis

Na última quarta-feira (30), foi criada a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis e Resíduo de Feijó (ASCARF), que será responsável pela reciclagem do lixo produzido no município. A ação faz parte dos procedimentos que a Prefeitura Municipal de Feijó, através da secretaria de Meio Ambiente, está adotando para atender os critérios do Termo de Conduta Ambiental (TCA).

Para o fomento da coleta seletiva no município está em andamento a locação de um galpão para a Associação, promoção de treinamento para os associados e a aquisição de contêineres e lixeiras. Será realizada também uma campanha de conscientização para que a população compreenda a importância de separar os materiais orgânicos dos reciclados.

O estatuto e a ata de criação da ASCAF foram elaborados com o apoio da Cooperativa de catadores de Materiais recicláveis do Acre (CATAR), que também irá oferecer capacitação para os associados.

Para a Secretária de Meio Ambiente, o novo projeto, que está sendo implantado, funcionará de maneira simples: as pessoas acumulam o material e o ‘Catar’ recolhe nas casas, calçadas, pontos e instituições, para então prensá-lo e comercializá-lo.

“Atualmente nós enterramos em torno de 95% do resíduo domiciliar, com a coleta seletiva queremos reduzir este índice em até 40%. E quem sabe um dia chegar ao mínimo possível”, comenta.

Matildes destaca que a associação visa também gerar trabalho, renda e melhores condições de vida a uma parcela da população excluída, cujo trabalho tem um valor socioambiental muito importante. “Isso além de tudo representa aumento do rendimento para eles, que não estarão mais nas mãos dos atravessadores e melhor qualidade de vida para os moradores”, relata.

Segundo Matildes, a destinação do lixo já não é só um problema somente ambiental, mas também econômico, pois é necessário ir cada vez mais longe para descartar os resíduos, o que encarece a operação. “Temos que entender que o caminho antes de destinar, ou seja, jogar fora é reutilizar, reciclar e acima de tudo repensar se realmente tenho necessidade de consumir o determinado objeto. O pensamento é que no planeta não existe lá fora”, destaca.