Em redes Sociais, Promotora do Acre alerta que a coisa pública não é atividade a ser exercida por mero fisiologismo político.

A promotora de Justiça Alessandra Garcia Marques, do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), comentou em sua página no Facebook, a respeito do fisiologismo político.

De acordo com a promotora, a administração da coisa pública não é atividade a ser exercida por pessoas escolhidas por gratidão ou por mero fisiologismo político, como pensam tradicionalmente os velhos políticos. “. Um tipo de relação de poder político em que ações políticas e decisões são tomadas em troca de favores, favorecimentos e outros benefícios a interesses privados, em detrimento do bem comum

“Esse pensamento colocou o Brasil no buraco
onde estamos. Ou superamos a velha política ou estaremos sempre no passado”, escreveu