Em reunião com bancada, ministro garante aviões para transportar doentes para fora do Acre

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, recebeu na tarde desta terça-feira, 9, os membros da bancada federal do Acre em Brasília para tratar sobre providências acerca da pandemia que vem assolando o Acre e que já matou 900 pessoas. O encontro contou com a presença do coordenador da bancada, senador Sérgio Petecão (PSD), a senadora Mailza Gomes e os deputados federais Flaviano Melo (MDB), Jéssica Sales (MDB), Perpétua Almeida (PCdoB), Léo de Brito (PT), Mara Rocha (PSDB), Vanda Milani (Solidariedade) e Alan Rick (DEM). Os únicos representantes que não participaram do encontro foram o deputado Jesus Sérgio (PDT) e o Senador Márcio Bittar (MDB), este último articulador do encontro, mas por ter outra agenda simultânea no Ministério do Meio Ambiente acabou ficando de fora das tratativas.

No encontro, que durou cerca de três horas, Pazuello ouviu as demandas da bancada federal e colocou toda a estrutura do Ministério à disposição, enfatizando que caso o Acre precise transportar pacientes com covid-19 para outros Estados, aviões ficarão disponíveis. O ministro reforçou ainda que todas as demandas do Acre vem sendo atendidas pelo governo federal e que atualmente o governo do Estado tem mais de R$ 100 milhões em conta para usar no combate à pandemia.“Foi uma das melhores reuniões que já tive. O ministro ficou à disposição de nosso Estado e afirmou que equipes do Ministério da Saúde já estão indo para o Acre na quarta-feira, 10, para auxiliar o governo”, disse o coordenador da bancada, Sérgio Petecão.

Petecão destacou ainda que o ministro reforçou aos parlamentares do Acre que não existe a menor possibilidade de Estados adquirirem vacinas por fora, contradizendo o discurso do governador Gladson Cameli que afirma trabalhar num plano para adquirir doses extras. “O ministro afirmou que tudo isso colocado, de adquirir vacina não passa de falácia. Tudo vai ter que passar pela Anvisa e vai ter que ser distribuído proporcionalmente para cada Estado”, explicou o senador, ressaltando que o único Estado que recebeu doses extras foi o Amazonas, por meio de um acordo conjunto com todos os demais Estados.