Gladson discute melhorias na Saúde com vereadores do Vale do Envira e Tarauacá

O governador Gladson Cameli recebeu nesta terça-feira uma comissão de dezesseis vereadores da ‘Frente Parlamentar em Defesa da Regional Tarauacá, Feijó e Jordão’. O secretário de Saúde, Alysson Bestene, participou da agenda que serviu para que os parlamentares enumerassem uma série de problemas pelos quais esses municípios vêm passando no setor, considerado hoje uma das prioridades da nova administração estadual.
“Eu tenho um filho de 7 anos e não tem um dia que eu não pense em saúde, da dificuldade das pessoas de conseguirem um atendimento médico para seus filhos. Mas quero dizer que, apesar de a responsabilidade ser minha, a falta de calor humano entre os próprios servidores é também um dos problemas que devemos eliminar, entre tantos outros”, disse o governador, em discurso no qual demonstrou total interesse em sanar os problemas na Saúde no interior.
A Frente Parlamentar representa quase 100 mil moradores da região, tendo o maior número de habitantes o município de Tarauacá, com 41 mil pessoas. Segundo os vereadores, falta médicos, fisioterapeutas e outros profissionais para o bom funcionamento dos hospitais e unidades de saúde, mas também há deficiência de aparelhos para exames.
“Precisamos de mais servidores de apoio, de aparelhos de geração de imagem, de tomografias e até de raio-x”, afirma o vereador Antônio ‘Príncipe’ Araújo, de Tarauacá. Segundo ele, cerca de 900 pessoas hoje em Tarauacá estão diagnosticadas com autismo e outras deficiências que necessitam de profissionais especializados, que hoje não têm na cidade.
Em Feijó, com 37 mil habitantes, segundo o vereador Mauro Defeson, a contratação de mais médicos e um agendamento para exames mais eficaz, que assegure que não haja remarcações de novas datas, evitando transtorno a quem mora na zona rural, é outro entrave que na sua opinião precisa ser visto pelo Governo do Estado.
No Jordão, de apenas 10 mil habitantes, e onde 60% da população é composta de indígenas, segundo a vereadora Meire Sergio, há apenas uma médica trabalhando em regime de 24 horas. “Elas já está cansada e não tem como atender com eficiência desse jeito. Sei que isso já foi um problema herdado pelo novo governo. Mas acreditamos que possamos melhorar essa situação”, frisa a parlamentar.
Os vereadores seguiram reunidos com o secretário de Saúde para alinhar alguns posicionamentos imediatos, enquanto que ficou acertada em duas semanas uma visita do governador Gladson Cameli aos municípios em questão, para verificar a situação in loco.