Meio Ambiente e Educação recebem equipe internacional de pesquisadores

Uma equipe internacional de pesquisadores do Centro de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), da Universidade de Warwick (Inglaterra), da Universidade de Heidelberg (Alemanha) e da Fundação Getúlio Vargas estiveram durante esta semana no Acre para avaliar os resultados iniciais dos projetos Dados à prova d’água e MAP-Fire. Estes projetos foram apresentados em junho, durante os eventos do Mês do Meio Ambiente.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Israel Milani, disse que os projetos estão alinhados com os interesses da Sema. “Considero importante a pesquisa, pois ela pode contribuir de forma efetiva nas ações e percepções da comunidade sobre os eventos extremos”, falou. Dentro da programação, os pesquisadores visitaram o Centro Integrado de Geoprocessamento e Monitoramento Ambiental (Cigma), coordenado pela Sema.

Os pesquisadores também realizaram encontros com a equipe da Secretaria Estadual de Educação (SEE) em três escolas estaduais, além da Secretaria Municipal de Saúde. Atuando em várias áreas do conhecimento, eles apresentaram resultados e lições aprendidas a partir do piloto sobre mapeamento de risco de inundações realizado no município de Rio Branco, em junho de 2019. Entre os resultados estão a produção de material audiovisual a partir das rodas de conversa sobre memórias de inundações. Foram construídos mapas de percepção de riscos na região, que visam oferecer subsídios comparativos a mapas oficiais.

Com relação às lições aprendidas, os pesquisadores deram destaque à importância do planejamento conjunto, a flexibilidade das atividades de pesquisa para possibilitar a adequação a demandas institucionais e comunitárias e a necessidade de envolver voluntários e articuladores chave no trabalho.

Para Fernanda Lima e Mário Martins, pesquisadores associados ao projeto, o trabalho durante essa semana permitiu traçar um cronograma efetivo para as atividades que serão realizadas no próximo ano do projeto.

João Porto de Albuquerque da Universidade de Warwick e coordenador geral do projeto enfatizou a importância da colaboração entre a equipe multidisciplinar do projeto e atores de organizações locais e comunidades para a produção conjunta de conhecimentos que possam contribuir para melhorar a resiliência a alagamentos. A pesquisadora Maria Alexandra Cunha, da Fundação Getúlio Vargas, complementou que esse projeto poderá contribuir para a melhoria da gestão pública através de novos dados e tecnologias.

Para a pesquisadora Liana Anderson do Cemaden, colaboradora do projeto e que também lidera o projeto MAP-FIRE, encontrar as sinergias entre os dois projetos e alinhar as ações de forma coordenada irá não somente maximizar o uso dos recursos mas também potencializar os resultados de ambos para fins de pesquisa e de entrega para sociedade.

“Os temas abordados nos dois projetos são parte do ciclo anual da vida das populações desta região, hora com os alagamentos durante a estação chuvosa, hora com as queimadas e incêndios florestais durante a estação seca”, explicou a pesquisadora.

Durante o mês de setembro deste ano o projeto MAP-Fire fez a entrega de uma plataforma on-line de livre acesso para monitoramento de queimadas e incêndios florestais na região MAP. A Plataforma pode ser acessada pelo seguinte link:

http://www.terrama2.dpi.inpe.br/acre/monitor/

E um tutorial pode ser acessado por este link:

https://www.treeslab.org/products.html

Mais informações sobre os projetos podem ser acessadas através dos links:  https://warwick.ac.uk/fac/cross_fac/cim/research/waterproofing-data/ e https://www.treeslab.org/map-fire.html