“Problema de segurança no Acre diz respeito a todo o país”, diz Vanda Milani em audiência com ministro Sérgio Moro

Os grupos criminosos  continuam ocupando espaço e suas ações estão cada vez mais audaciosas. A violência que acontece no Acre interessa a todo o Brasil já que se estende a todo o território nacional. É preciso coibir os grupos criminosos em nosso Estado para a defesa de todo o país-  A afirmação é da deputada Vanda Milani(Solidariedade), em audiência, esta terça-feira,4,em Brasília, juntamente com o governador do Estado, Gladson Cameli, e  integrantes da bancada federal acreana no Congresso Nacional com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

A bancada insistiu junto ao ministro Moro que o problema de segurança no Acre é emergencial e que só o governo acreano  não é suficiente para enfrentar tanta violência. “Apesar de todo o esforço do Governo do Estado, é preciso a união de esforços e apoio decisivo  do Governo Federal para o combate ao crime”, insistiu  a deputada. Foi inclusive solicitada a manutenção dos postos da Polícia Federal nos municípios de Thaumaturgo e Santa Rosa do Purus, pontos estratégicos para a entrada de grupos ligados ao narcotráfico.

Maior Policiamento.

Vanda Milani chamou ainda a atenção para a necessidade de maior policiamento ostensivo nas ruas como forma de coibir as ações criminosas. Na reunião foi levantada, inclusive, a repressão boliviana às facções e uma possível extensão do Centro de Inteligência localizado em Manaus para a cidade de Rio Branco. Por seu lado, o ministro Sérgio Moro falou da necessidade de constitucionalizar a Força Nacional e lembrou  o maior incremento nas policias Federal(PF) e Rodoviária Federal(PRF)com a  maior execução de valores pelo Governo Federal nas forças de segurança.

Para Vanda Milani, é fundamental recuperar a sensação de segurança, “uma vez que hoje é a população que está pagando o preço da impunidade. Precisamos urgentemente de uma ação conjunta a fim de recuperar a força do Poder Público (estadual e federal) e tranquilizar a  nossa comunidade, hoje assolada pela violência e insegurança que vem atingindo indistintamente as famílias acreanas”.