Reunião do PSOL em Rio Branco termina em pancadaria por causa de cartaz

 

 

Bate-boca, empurra-empurra, socos e tapas, foi assim que terminou a reunião política na sede do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) em Rio Branco, na manhã desta terça-feira (3). As cenas de agressões físicas foram protagonizadas pelos membros do partido, Waldir França, ex-presidente da sigla, e o atual presidente, Jamyr Rosas, que é acusado por França, de ter iniciado a confusão. O caso terminou na delegacia onde forma registrados boletins de ocorrência.

Membros do partido, que integra a Frente Popular do Acre, reuniram-se para definir os rumos da agremiação nas eleições desse ano, quando os ânimos se exaltaram por conta de um cartaz que foi exposto durante o encontro em que pedia a saída de “Cláudio Ezequiel e seu grupo”. Daí teve início a pancadaria.

De acordo com Waldir França, “O presidente endoidou junto com o irmão dele, agredindo um militante do partido, o Juscelino, só porque ele levantou um cartaz que dizia ‘fora Cláudio Ezequiel e seu grupo’, daí começou as agressões e a reunião terminou em pancadaria. Teve gente machucada que foi à delegacia e que fez exame de corpo delito e tudo”, afirmou França.

Acusado de ter iniciado a confusão, Jamyr Rosas se defende dizendo que França está revoltado porque foi aberto um processo de expulsão contra ele, por supostos desvios de recursos de um sindicato e a exposição do ex-dirigente partidário em um vídeo íntimo vazado na internet.

“Waldir está em processo de afastamento no PSOL. Pesam graves acusações contra ele. Inclusive, ele envergonhou o partido nacionalmente num vídeo”, diz Jamyr.