Secretaria de Meio Ambiente discute ações do Governo do Estado para os povos indígenas

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Israel Milani, recebeu lideranças indígenas e afirmou que as políticas voltadas a estes povos estão sendo tratadas como prioridade pela nova gestão. Segundo ele, a retomada do Instituto de Mudanças Climáticas e Regulação de Serviços Ambientais (IMC) como autarquia será importante para dar continuidade aos projetos e consolidar ações dentro das aldeias. O diretor do IMC, professor Carlito Cavalcanti, também participou da reunião na Sema.

“Esse foi o primeiro encontro com representantes indígenas, mas quero dizer que já estamos tratando dessas questões desde o início da nossa gestão. O primeiro desafio foi a articulação do retorno do IMC e o próprio governador já sinalizou que essa mudança estará contemplada na reforma administrativa. Com isso poderemos resguardar vários projetos”, comentou Israel Milani.

Representantes de associações indígenas com técnicos da Secretaria de Meio Ambiente; valorização das etnias acreanas (Foto: Asscom/Sema)

O secretário reafirmou o compromisso de destinar à população indígena todos os recursos aportados no estado. “Estamos analisando os processos para que os repasses desses recursos aconteça da forma mais transparente e correta possível”, argumentou.

A indígena Francisca Arara, coordenadora da Organização dos Professores Indígenas do Acre (Opiac) e representante da Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre (Amaaiac) reafirmou o compromisso de lutar por todos os povos indígenas. “Para nós é muito importante esse momento de dialogar com o Governo do Estado. Não queremos saber de politicagem nem de brigas. Estamos aqui para lutar pelos 15 povos vivendo em 34 terras indígenas no Acre. Precisamos avançar, ter as crianças nutridas, os homens trabalhando e mulheres como protagonistas”, disse.

O presidente da Amaaiac, Edilson Rosa da Silva, comemorou os avanços do movimento de agentes agroflorestais indígenas. “Precisamos amadurecer ainda mais esse diálogo. O que queremos para as nossas aldeias é segurança alimentar. Vamos trabalhar para manter uma alimentação saudável em nossas casas e em nossas escolas”, argumentou.

O coordenador executivo da Comissão Pró-Índio do Acre (CPI-Acre), Gleyson de Araújo Teixeira, afirmou que a expectativa do grupo é pela criação de uma agenda pública indígena. O secretário Israel Milani convocou uma reunião de alinhamento, ainda esta semana, onde será apresentado um resumo das conquistas das políticas indígenas no Estado para a definição de estratégias para os próximos passos.