“Tricas e Futricas de Feijó” Larvas de mosquito da dengue nas montanas e vasos sanitário do Hospital.

Um vídeo gravado por um internauta dentro do Hospital Geral de Feijó, mostra larvas de mosquito da dengue, em água parada nos recipientes de descarga e vasos sanitário, instalados em leitos da unidade de saúde do estado. Nas imagens, é possível observar, que a quantidade de larvas, seria suficiente para infectar, além dos pacientes, funcionários e pessoas que visitam a unidade diariamente.

O vídeo divulgado em redes sociais, tem levado a população a indignação, principalmente diante daqueles profissionais da área de saúde que, estão diariamente nas redes sociais, querendo aparecer a qualquer custo com suas politicagens.

Se realmente querem trabalhar, em prol da população deveriam começar uma força tarefa dentro do próprio recinto de trabalho, onde as larvas de mosquito da dengue proliferam a todo vapor.

Um presidente querendo ser prefeito a qualquer custo

Essa é, a conversa que corre nos bastidores da política de Feijó. Até um áudio já foi exibido, onde o presidente do Poder Legislativo Municipal, ameaça demitir a maioria dos secretários do prefeito Kiefer Roberto. Para os estudiosos da lei da física, dois corpos não ocupam o mesmo lugar. Sendo assim, a prefeitura não pode ter dois prefeitos.” Qualquer outra tese levantada nesse sentido, não passa de imaginações fictícias e sem respaldo legal. A caneta que tem poder de demitir estar nas mãos do prefeito Kiefer, o resto são coisas folclóricas de Feijó.

Uma suspeita a ser levantada em órgãos do estado

Uma suspeita, não é um fato, mais apurado com transparência, tiraria qualquer dúvida e deixaria a população mais tranquila com relação a uma possível retirada de vários tambores de pinche do pátio do DERACRE. O destino não se sabe, mas o certo, seria saber para onde foi e porque foi levado tão rapidamente.

POLÍTICA OU POLITICAGEM, QUAL O NOSSO CENÁRIO?

Embora o grande mestre RUI BARBOSA tenha diferenciado a política da politicagem, o cenário de Feijó, é a cada dia, mais politiqueiro, uma mistura regada a ódio, inveja e outros ingredientes que tira a boa política do cidadão. 

“Política e politicalha não se confundem, não se parecem, não se relacionam uma com a outra. Antes se negam, se excluem, se repulsam mutuamente. A política é a arte de gerir o Estado, segundo princípios definidos, regras morais, leis escritas ou tradições respeitáveis. A politicalha é a indústria de explorá-lo a benefício de interesses pessoais.” (Discurso em 17.09.1917).

Esse texto escrito por Rui Barbosa, traduz a velha política de Feijó. Uma metamorfose nem de longe reconhecida pela natureza. “Todos nós sabemos que uma lagarta vira borboleta, mas a uva não se transforma em abacaxi. A politicagem é tão medíocre, que os politiqueiros levaram a transformá-las em uma epidemia da dengue, coisa nojenta de se ver”