Vereador de Brasileia preso na Operação Labor ganha liberdade após 27 dias

A Justiça da 4° Vara Criminal do Município de Brasileia, no interior do Acre, colocou em liberdade o vereador Joelson Santos (PP), preso pela Polícia Federal durante a quarta fase da Operação Labor, que investigava um esquema de fraudes em licitações naquele município.

A Operação da PF, iniciada ainda em 2015, visava desarticular uma organização criminosa envolvendo agentes públicos para fraudar licitações e contratar empresas com mão de obra terceirizada com atuação nos municípios de Brasileia e Plácido se Castro.

O vereador Joelson Santos, à época, foi acusado pela Polícia Federal de fazer parte do esquema que envolvia prefeito, ex-prefeitos e secretários dos dois municípios.

Por conta disso, Joelson ficou preso exatos 27 dias e para ele: “Não há nada pior na vida do que você ser privado da sua liberdade inocentemente e hostilizado por todos, acusado de algo que você nunca fez ou imaginou na vida. Sem contar a vergonha que a gente passa. Os amigos, a nossa família, mesmo todos sabendo que eu nunca tive nenhum envolvimento com isso, a honra da gente fica marcada. Graças a Deus, a verdade chegou. A Justiça tarda, mas a verdade sempre aparece”, desabafa.

Além disso, o vereador havia sido afastado se suas funções parlamentares, então recorreu na Justiça o direito de exercer o mandato e já deve ser reconduzido ao cargo de vereador no retorno do recesso, dia 15 de fevereiro.

Ainda permanecem presos acusados no esquema fraudulento: Roney de Oliveira Firmino (ex-prefeito de Plácido de Castro eleito pelo PSD) e os ex-prefeitos de Brasileia, Aldemir Lopes e Everaldo Gomes Pereira, ambos do PMDB.

Veja a decisão: