Nove freiras ficam grávidas em mosteiro que abriga refugiados; irmãs falam em “milagre” Irmãs garantem não tiveram relações sexuais com os refugiados e atribuem gravidez a milagre

Publicado em 03 de fevereiro de 2017 às 12h:53

Por Mário Célio

Uma notícia publicada recentemente por jornais italianos gerou muita polêmica. No mês de julho de 2016, em um mosteiro feminino de Milão, foram abrigados cinco refugiados do Norte da África. A princípio, as irmãs superioras acreditaram estar fazendo caridade  inspiradas pelo graças de Deus, ajudando os homens perseguidos em seus países de origem.

Tudo ia muito bem, até as intenções originais serem extrapoladas, pois segundo o Giornale Italiano, nove jovens freiras apareceram grávidas. A Madre Superiora Abadessa,  cuja mãe idosa está gravemente doente, deixava o mosteiro durante a noite, mesmo devendo permanecer no recinto para controlar as noviças, detalha a notícia da publicação italiana.

Possivelmente, as irmãs mais novas aproveitaram a situação, passando noites com os refugiados após as orações do dia. Mas após 6 meses, as barrigas cresceram. As religiosas foram obrigadas a fazer o teste de gravidez e, após comprovação, tiveram que abandonar a vida monástica.
As irmãs, no entanto, garantem que não tiveram relações sexuais com os refugiados. “Nós não fizemos nada de errado. Estes sofredores necessitaram de amor e conforto. Maria também engravidou, permanecendo virgem, e a inocência [de Maria] é sabida tanto por Madre Abadessa como por nós. Recebemos o mesmo milagre, não há outra explicação. Agradecemos a Deus por isso.”