Prefeita eleita de Tarauacá tem 4 processos por compra de voto

Publicado em 28 de novembro de 2016 às 22h:17

Por Mário Célio

A prefeita eleita de Tarauacá, Marilete Vitorino (PSD), já pode pedir música no fantástico. Ela não fez três gols numa mesma partida de futebol, mas responde quatro processos por suposta compra de votos em um mesmo período eleitoral. A primeira ação contra Marilete foi no enfrentamento corpo a corpo com Rodrigo Damasceno (PT). Precisando de um reforço para o vale tudo com o petista, ela teria comprado um tatame avaliado em oito mil reais para uma academia da cidade. Os partidários de Damasceno afirmam que o tatame foi oferecido em troca de votos. Eles teriam, inclusive, uma gravação telefônica da negociação.

O atual vice-prefeito Chagas Batista (PCdoB) informa que uma segundo processo é da prestação de contas possivelmente irregular apresentada pela chapa de Marilete Vitorino. Segundo o comunista, o juiz da 5ª Zona Eleitoral, Guilherme Aparecido do Nascimento Fraga, acatou a ação da Frente Popular e impugnou as contas de Vitorino. Na terceira ação judicial, a prefeita eleita foi denunciada por uma militante petista que teria recebido uma requisição de 40 litros de gasolina, que foi entregue à Justiça. Ufa, no quatro e, espero que último processo, a gestora que ainda não tomou posse é acusada de patrocinar uma farra de combustível.

abastecimeentoChagas Batista destaca que a afilhada do senador Sérgio Petecão (PSD), teria distribuído 20 mil litros de combustíveis, após as eleições. Chagas apresenta fotografias de pessoas em filas com vasilhames e veículos para abastecer num posto da cidade. Com pouca gasolina nos pit stops, Rodrigo Damasceno não teve chance de disputar a reta final da corrida eleitoral e foi derrotado pela equipe de Marilete que foi mais eficientes nos abastecimentos dos carros dos eleitores e dos cabos eleitorais que andaram à vontade para pedir e supostamente comprar votos

Fonte:ac24horas

COMPARTILHAR